Gambira – Dicas de Compras, Cursos, Concursos e muito mais.

HPV – Apresentação da Doença, Transmissão e Prevenção

Por com 0 Comentário

O vírus HPV pode causar infecção em pessoas que façam sexo sem proteção. A contaminação é muito frequente no Brasil e no mundo, sendo caso de saúde publica

HPV e Seus Sintomas

O HPV é uma doença sexualmente transmissível, que possui outros nomes popularmente e cientificamente conhecidos como crista de galo e condiloma acuminado respectivamente. As lesões são verrugas que surgem na genitália masculina ou feminina, podendo ainda aparecer no ânus. O contato sexual é a forma de transmissão mais vista na história da doença, podendo ainda ser transmitido a partir de transfusão sanguínea ou por transmissão vertical. O HPV é uma doença muito comum, mas que merece atenção por ser fator de risco para câncer de colo de útero e reto. Por isso é importante que as mulheres tenham o hábito de visitarem o ginecologista e fazerem exames de rotina periodicamente, como o papanicolau. Os homens também são afetados pela doença.

Apresentação da Doença

As verrugas do HPV podem ter tamanhos diversos, tornando a doença mais transmissível quando estão aparentes. O homem apresenta a lesão na glande e na região do ânus. As mulheres podem também desenvolver verrugas na região anal, sendo mais comumente acometidas a vagina, vulva e colo do útero. Lesões na boca e na garganta podem acontecer em ambos os sexos, sendo a prática sexual com preservativos a forma mais eficaz para a prevenção da doença.
Hoje em dia já está disponível a vacina do HPV. É uma forma de profilaxia pré-exposição que o governo brasileiro já oferecerá gratuitamente para jovens meninas de 10 e 11 anos em 2014. Pela rede privada, a vacina custa aproximadamente 300,00 a dose. Estima-se que quase 700 mil pessoas estejam infectadas pelo HPV a cada ano no Brasil.

Sintomas do HPV

A Vacina Contra o HPV

O intuito é que a vacina estimule que o corpo produza anticorpos específicos para cada tipo de HPV, mas pode ser mais ou menos eficiente diante da quantidade de anticorpos que o indivíduo vacinado desenvolveu, se esses anticorpos estarão presentes no local da infecção e a permanência destes durante anos. A camisinha ainda é a melhor forma de prevenção das doenças sexualmente transmissíveis em geral, mas vale a pena tomar a vacina visto que não há só esta forma de contaminação. A vacina quadrivalente é a que previne 4 sorotipos: 16 e 18, presentes na maioria dos casos de câncer de colo de útero, e o 6 e 11, responsáveis pela quase totalidade dos casos de verrugas genitais. Outra vacina vigente é a que cobre apenas os subtipos de HPV 16 e 18.
Até hoje não foi determinada a validade da vacina, já que é comercializada pelo mundo apenas a partir de 2007. Com os novos estudos e com o tempo, as informações vão se esclarecendo e os riscos das complicações diminuindo.

Vacina para Prevenção do HPV

Uso da Camisinha Evita o HPV

O uso da camisinha não retira o vírus do organismo, mas diminui a transmissão e evita a reinfecção com sorotipos que podem ser potencialmente mais graves. O preservativo é importante não só para evitar a gravidez, mas principalmente na transmissão de doenças como gonorréia, sífilis, HIV e hepatites B e C. Seu princípio é evitar que o material

Preservativo para Evitar Contaminação por HPV

Como Funciona a Transmissão do Vírus e Tratamento do HPV

O vírus possui mais de 100 sorotipos, sendo alguns deles associados a casos de câncer, principalmente de colo do útero e tumores de vulva, ânus e orofaringe. O vírus provoca lesões na pele e em mucosas, sendo a maioria deles inofensiva.
Com a penetração na vagina ou ânus, e até mesmo pelo sexo oral desprotegido, o vírus HPV passa de um organismo para o outro, incluindo ainda relações íntimas que tenham apenas contato com a mucosa peniana, anal ou vaginal.

Quem trata do HPV é o médico infectologista, urologista e ginecologista. A pessoa percebe principalmente as verrugas em regiões genitais e procura o auxílio do especialista, que faz uma história detalhada e exame físico para identificar se é compatível com a doença.

Assinar

Gostou desse artigo? Então se inscreva e receba várias novidades.

Escrever um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Top